Você consegue determinar qual é o nível de integração entre sistemas em sua instituição de saúde hoje? A integração progressiva das ferramentas é uma das bases que sustenta a transformação digital e que contribui imensuravelmente para a produtividade, performance profissional e resultados na saúde digital.

Embora a maioria dos gestores hospitalares tenha “aberto os olhos” para a necessidade de ampliar a interoperabilidade sistêmica, ainda é usual encontrar organizações em que a integração passa longe dos processos, mas isso pode se agravar diante de um contexto prolongado de pandemia como o que enfrentamos.

Pensando nisso, reunimos 4 vantagens de promover maior integração entre os sistemas hospitalares, a fim de desenvolver uma estratégia que traga resultados escaláveis para a empresa. Boa leitura!

4 vantagens diretas da integração entre sistemas como estratégia operacional

Primeiramente, é fundamental compreender que a integração, além de viabilizar ações mais sólidas, é grande aliada também na atuação gerencial a partir de uma visão 360°, na qual a gestão tem total controle dos processos internos e posiciona o paciente no centro das atividades.

Além disso, a integração é um dos eixos responsáveis pelo nível de interoperabilidade hospitalar e, se você acompanha nosso blog, sabe que já falamos sobre a importância de tornar o processo hospitalar em interoperável. Veja cada uma das vantagens a seguir!

1 – Fortalece a percepção gerencial dos processos internos

Anterior a possibilidade de integrar sistemas, a gestão hospitalar sofria com a dispersão das informações, acesso ineficiente, perda de tempo e recursos, pois era preciso se deslocar a diferentes sistemas apenas para levantar alguns dados do paciente.

Contudo, a integração entre sistemas possibilita que os gestores tenham todos os dados hospitalares, resultantes de diferentes processos internos, sendo cruzados em um fluxo único de informações.

Dessa forma, há um ganho significativo em visão gerencial que se transforma em tomada de decisão consciente e alicerçada em insights inovadores. Por exemplo, se torna prática a consulta do histórico do paciente, o cruzamento da movimentação financeira com o estoque hospitalar ou mesmo o compartilhamento dos dados com distintas instituições de saúde.

Aliás, a gestão hospitalar passa a identificar gargalos antes mesmo de acontecerem, pois está munida do conhecimento que precisa.

2 – Reduz consideravelmente o nível de retrabalho

Veja se você se relaciona. Quantas vezes um processo de atendimento teve que ser reiniciado em sua instituição?

Será que se as informações chegassem à etapa certa do processo de atendimento, o médico não poderia ser mais eficiente? Será que o paciente teria alta com mais rapidez se seus exames estivessem nas mãos do profissional? Toda resposta negativa às perguntas é reflexo da falta de integração e presença de processos manuais.

Se tiver dificuldades para determinar as respostas, basta focar no indicador de desempenho “tempo médio para atendimento”. Então, o que queremos dizer é que com a integração entre sistemas em funcionamento, todo esse retrabalho é eliminado.

Logo, o médico atende um paciente e com informações sobre atendimentos prévios, medicações já prescritas e exames já realizados, a qualidade tende a crescer exponencialmente, refletindo na satisfação e crescimento da instituição.

3 – Estimula a saúde financeira ao diminuir gastos com o operacional

Quando falamos em saúde privada é comum associar que os gastos operacionais, como por exemplo, com exames e impressão de imagens, acabam cobertos por planos de saúde e, em muitos casos, com o pagamento particular do paciente, embora também gere altos custos à instituição.

Entretanto, você consegue imaginar o contexto da saúde pública, no qual a falta de integração entre os sistemas gera custos incongruentes apenas com exames?

Voltando aos planos de saúde, sabia que apenas em 2017, os planos de saúde gastaram mais de R$ 170 bilhões em contraprestação de serviço para seus contratantes?

Os dados são da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Chega até ser imensurável a porcentagem desse valor destinado a exames que poderiam ter sido evitados, não é mesmo?

Portanto, a integração sistemática oferece a oportunidade de redução de custos operacionais a qualquer instituição de saúde, isso é fato e deve ser levado em conta pela gestão que busca crescimento.

4 – Favorece a padronização dos processos

A padronização dos processos hospitalares é essencial para o bom desempenho da organização. Isso porque é uma estratégia que permite ampliar seu controle sobre a infraestrutura, recursos materiais e humanos, além de influenciar na produtividade por meio de atividades bem desenhadas.

E para isso a integração auxilia e muito. Ao criar um mapeamento dos processos fica simples implementar uma padronização que seja coerente às demandas da instituição.

Como última dica, a SALUX não poderia deixar de apontar que a integração indispensável começa na implementação de uma solução de gestão hospitalar estruturada em tecnologia de ponta.

A partir do software interoperável sua gestão consegue pôr em prática estratégias e posicionamento que tragam resultados. Quer saber ainda mais? Entre em contato com nossa equipe e saiba como ter integração entre sistemas de verdade!

Rua Furriel Luiz Antônio de Vagas, 380 | Bela Vista | Porto Alegre - RS - (51) 3021-0055 - 90470-130
Infraestrutura Plantão 24 Horas
51 99239-6976 (VIVO)
51 99238-7010 (CLARO)
Suporte
51 99767-7602
Receber novidades
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.