Qual a importância de um sistema certificado?

A edição mais recente da revista Health It, conceituada publicação na área da saúde, trouxe como tema “Sistemas certificados: qualidade e segurança para o mercado da saúde”. O nosso CEO, Fabrício Avini, contribuindo para a reportagem, falou sobre a certificação SBIS-CFM (Conselho Federal de Medicina e Sociedade Brasileira de Informática em Saúde) e como ela ajuda a melhorar a os processos da empresa, aumentando a segurança dos pacientes.

Cada vez mais, as clínicas médicas estão buscando a inovação com a instalação de sistemas de gerenciamento. Com isso, esperam evitar erros de incidências médicas e facilitar os processos de resultados de exames. Mas na hora de optar pelo sistema, vem a dúvida: qual escolher?

O sistema da Salux, SX Sigma, faz parte do grupo seleto de produtos com Certificação SBIS-CFM, edição 2009, na categoria NGS2 (Nível de Garantia de Segurança 2) Ambulatorial. O maior beneficiário desta certificação é o próprio cliente, que conta com uma ferramenta adequada às normas, aumentando em muito a segurança da informação do paciente.

 

Confira um trecho da entrevista:

“O processo de certificação é extremamente rigoroso. Ele impede que o desenvolvimento de sistemas vulneráveis comprometam a integridade das informações, melhorando a segurança dos pacientes. A exigência de certificação digital, criptografia de dados e controle de Log, por exemplo, são pontos fortes defendidos para a segurança de dados e exigidos pela certificação”, completa o executivo da Salux.

Avini conta que, por ser um processo rigoroso, a Salux contou com a ajuda de uma consultoria para identificar e atualizar seu sistema de acordo com as exigências da certificação, além da assessoria de profissionais médicos para tratar sobre questões voltadas à segurança do paciente. “Nos preocupamos muito em tornar o sistema seguro em relação à tecnologia, mas também amigável e intuitivo para o profissional de saúde. Para isso, seguimos o raciocínio médico na hora de programar. Mesmo não sendo um dos requisitos exigidos, nos preocupamos em desenvolver um fluxo claro entre os processos administrativos e clínicos para simplificar a comunicação entre os dois setores.”

Todo esse processo exigiu da Salux um investimento considerável. Além da adequação aos termos de compliance e aderência às exigências da Sbis, a empresa aproveitou o momento para transformar seu sistemas – antes com boa parte voltada à área administrativa – em um S-RES, que tornou a ferramenta em um dos sistemas de maior adesão por parte do corpo clínico entre seus clientes, por possuir uma interface mais amigável e priorizar aspectos voltados à segurança do paciente.

 

Leia a reportagem completa aqui: http://healthit.grupomidia.com/8a-edicao-da-health-it/.